Direito e Empreendedorismo: 4 coisas que todo advogado deveria saber!

Empreendedorismo

Segundo o dicionário de negócios a definição de empreendedorismo é a capacidade e disposição para desenvolver , organizar e gerenciar o riscos  de um negócio, de modo a gerar lucratividade aos seus investidores. O exemplo mais óbvio do empreendedorismo é o início de novos negócios.

Em economia , o empreendedorismo está combinado com a terra , com o trabalho , com os recursos naturais e o capital investido. Aspectos que associados podem produzir lucro. O espírito empreendedor é caracterizado pela inovação e a capacidade de assumir riscos, e é uma parte essencial de uma nação bem desenvolvida. É a capacidade para se ter sucesso frente às constantes mudanças em um mercado global cada vez mais competitivo.

Empreendedorismo, definindo de maneira bem simples, é o ato de resolver problemas do dia a dia de um negócio de difícil resolução. É também agregar valor ao empreendimento e saber identificar oportunidades transformando-as em um negócio lucrativo.

Portanto, o empreendedorismo é essencial à sociedade, pois está fortemente relacionado com a inovação, gerando riqueza para a organização, através da criação de novos produtos, metodologia de mercados, procedimentos e novas formas de organização.

Mas, como empreender na advocacia?

Como inovar e obter receita para seu escritório jurídico ou sendo um advogado autônomo?

Perguntas nem sempre fáceis de serem respondidas por advogados recém-formados que buscam seguir o caminho do empreendedorismo.

Assim, preparamos algumas dicas para auxiliar o doutor da lei a gerir seu escritório, aumentando assim, as chances de sucesso financeiro de seu empreendimento.

1 – Desenvolva sua capacidade de aprender rapidamente

Atualmente existem técnicas para se aprender de uma maneira muito mais rápida. Algumas estão relacionadas com cuidados com o corpo referindo-se à alimentação saudável e prática de exercícios. Outras técnicas trabalham ensinando e treinando o cérebro a aprender.

O fato é que quanto mais rápido o aprendizado, mais rápido será a tomada de decisão e … tempo é dinheiro!!! Perceba que não estamos falando apenas sobre o aprendizado teórico. Aprender com os erros, com parceiros, com experiências anteriores, com o concorrente, é muito importante para o sucesso de qualquer empreendimento.

O advogado empreendedor que tem desenvolvida capacidade de aprender, localiza a origem do problema, analisa-o e busca rapidamente uma solução efetiva.

2 – Faça a gestão do tempo

Organizar o tempo é um fator primordial na gestão do escritório jurídico. Na gestão do tempo, é necessário que o advogado empreendedor otimize o uso de seu caro e escasso tempo, através de padronização de rotinas. Uma maneira de padronizar rotinas é a adoção de agenda e listas.

A agenda traça um planejamento diário e também para o ano todo. Já as listas podem ser:

  • Lista de coisas a fazer – relacione tudo o que é necessário fazer por grau de importância, começando pelo que precisa ser feito imediatamente.
  • Lista de ligações para serem feitas – relacione por ordem de chegada todas as ligações e contatos a serem feitos.
  • Lista de pessoas – liste nome, endereço, e-mail, telefone, enfim, todos os contatos que interagem com seu escritório jurídico.

Porém, de nada adianta agenda se não houver compromisso com prazos e horários, seja com clientes, compromissos jurídicos ou até prazos relacionados ao pagamento de taxas.  Lembre-se que a falta de comprometimento poderá afetar sua credibilidade empresarial!

3 – Gestão financeira

É um grande desafio para qualquer empresa. E para o empreendedor jurídico não deixa de ser diferente! Não é fácil controlar o dinheiro que entra e sai, fazer aplicações financeiras, administrar capital de giro, fazer investimentos.

O ideal é que o escritório jurídico possua um profissional especializado em gestão financeira. Delegue funções! Uma empresa contábil, especializada em contabilidade para advogados, será capaz de:

  • Organizar, registrar e separar as despesas dos gastos pessoais,
  • Apresentar relatórios como o de fluxo de caixa e demonstrativo de resultados,
  • Estabelecer pró-labore,
  • Fazer a distribuição dos lucros do escritório,
  • Construir fundo de caixa,
  • Analisar as finanças periodicamente,
  • Controlar fluxo de caixa.

4 – Gestão estratégica

Um advogado empreendedor deve saber identificar uma oportunidade, reconhecer nichos de mercado com potencialidades de crescimento e principalmente identificar seu público alvo. A partir daí, traça-se um planejamento estratégico buscando “vender seu produto”, que deve ser feito baseado na missão, visão e valores adotados pelo escritório jurídico.

Em suma, o retorno financeiro de qualquer escritório jurídico é a prova fundamental de que direito e empreendedorismo andam lado a lado. Quando se entende que é necessário conciliar o exercício da advocacia com a gestão empresarial, certamente resultará em um negócio duradouro e de sucesso.

Até a próxima!

Comentários Facebook

Leave A Response

* Denotes Required Field